Home / externas / Horas após atropelar e matar criança, motorista é posto em liberdade

Horas após atropelar e matar criança, motorista é posto em liberdade

Acusado de atropelar e matar a pequena Gheanny Karolyne Sousa dos Santos, de 3 anos, no Itapoã, Hegon Henrique Brito Xavier, não passou 24 horas atrás das grades. Após prestar depoimento na 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá), o jardineiro de 24 anos foi posto em liberdade ainda na noite de segunda-feira (16/10). O acidente ocorreu às 13h45 do mesmo dia.

Como não havia ingerido bebida alcoólica e não recusou socorro à vítima, Hegon foi autuado pelo crime de homicídio culposo, quando não há intenção de matar, o que o credencia a responder ao inquérito em liberdade.

Por medo de retaliação, o rapaz, também morador do Itapoã, se refugiou na casa de parentes no Entorno do Distrito Federal.

Cunhado de Gheanny, Alex Silva, 28, afirmou ao Metrópoles que a família está revoltada com a soltura do acusado horas após a tragédia. “Não há justiça neste país. Ele (Hegon) tirou a vida de uma criança inocente e já voltou para casa”, lamentou o rapaz, que vive na mesma rua onde ocorreu o acidente.

1/10Casa que foi atingida pelo carro desgovernado fica na quadra 318Hugo Barreto/Especial para o Metrópoles
2/10Itamara dos Santos, irmã da vítima, ficou muito abaladaHugo Barreto/Especial para o Metrópoles
3/10Defesa Civil fez perícia parcial na casa atingida Hugo Barreto/Especial para o Metrópoles
Publicidade
4/10Bombeiro inspeciona carro que atropelou criança no ItapoãHugo Barreto/Especial para o Metrópoles
5/10Policiais preservam casa onde menina de 3 anos morreu atropeladaHugo Barreto/Especial para o Metrópoles
6/10Corpo da criança é retirada do local do acidenteHugo Barreto/Especial para o Metrópoles
7/10Viatura do IML no local do acidenteHugo Barreto/Especial para o Metrópoles
8/10Servidores do IML recolhem corpo de Geany CarollineHugo Barreto/Especial para o Metrópoles
9/10Bombeiros acompanham a retirada do carroHugo Barreto/Especial para o Metrópoles
10/10Veículo que invadiu a casa é retirado da residência Hugo Barreto/Especial para o Metrópoles

Silva acrescentou que os sogros, Ildebrando Ferreira dos Santos, 50, e Paula Maria Ferreira de Sousa, 37, pais de Gheanny, não voltarão para a casa em que viviam com a menina e outros dois filhos.

“Tudo faz lembrar a Gheanny, como o quintal onde ela brincava com os irmãos de casinha. Além disso, o local está interditado porque há risco de desabamento”, explicou. O rapaz contou que os pais da garota, também atingidos pelo carro, sofreram escoriações, mas passam bem.

Até a publicação desta reportagem, o corpo da criança permanecia no Instituto Médico Legal (IML) do DF. A família ainda não marcou a data e o local do enterro.

Represália
A mãe do acusado, Simone Clara de Brito, 40, afirmou ao Metrópoles que por medo de retaliação, ela, o filho e a irmã dele deixaram por tempo indeterminado a residência em que vivem no Itapoã. Eles se refugiaram no Entorno. “Meu filho está muito triste, não consegue falar sobre o caso. Não tem temperamento agressivo, é trabalhador. Não só ele, mas eu também estou muito triste e preocupada com a outra família”, lamentou.

A mulher contou que o filho havia acabado de brigar com a namorada minutos antes do acidente e acredita que ele poderia estar sob efeito de alguma substância. “Meu filho nunca usou drogas ou bebida alcoólica. Ele estava transtornado pela briga com a namorada. Acredito que possa ter tomado algum tipo de medicação”, contou.

Tragédia
Gheanny estava deitada no sofá da sala, quando o automóvel bateu violentamente no muro e a atingiu. Outras duas pessoas estavam na residência, mas escaparam ilesas. Em depoimento a agentes da 6ª DP, o condutor afirmou que confundiu o freio com o acelerador no momento em que fazia uma curva. Hegon contou que sua primeira reação foi sair do carro e tentar suspendê-lo para retirar a criança, que estava presa entre o assoalho e o chão, mas começou a ser agredido por populares.

Ele só não apanhou mais por clemência dos próprios pais da menina, que o trancaram em um dos quartos até a chegada da Polícia Militar. A criança estava no sofá da sala quando o Fiat Siena dirigido por Hegon bateu contra a parede.

Os pais da criança também foram atingidos pelo veículo. O Corpo de Bombeiros os levou para o Hospital Regional do Paranoá. Segundo informações da corporação, o casal sofreu alguns ferimentos e está consciente.

Um vídeo que circula pelo WhatsApp mostra uma mulher ao lado do corpo da criança — que estava coberto por um lençol. Nas imagens, o suspeito de ter provocado o acidente aparece sem camisa, de bermuda vermelha e algemado. Após protestos de populares que pediam seu linchamento, o homem é colocado dentro do cubículo de uma viatura da PM e levado para a delegacia.

Fonte: Metropoles
Author: Douglas Carvalho

Powered by WPeMatico

Sobre radarsantamaria