Policial bebe, mata, se enrola em depoimento e é indiciado por homicídio

Jéssica Antunes
jessica.antunes@grupojbr.com

Um sargento da Polícia Militar mentiu em depoimento ao dizer que matou um homem ao reagir a um assalto. Investigações apontam que Paulo Roberto Figueiredo passou a noite ingerindo bebidas alcoólicas e deu cinco tiros no amigo que teria se recusado a continuar a noitada. O crime aconteceu há uma semana na região central de Ceilândia e imagens de câmeras de segurança derrubaram a alegação de legítima defesa. O militar teria histórico de abuso de álcool.

A primeira versão foi apresentada aos militares que atenderam a ocorrência. O sargento disse que havia sido assaltado por duas pessoas. Um teria sido morto em confronto e o outro, fugido a pé. Rafael Barbosa Santos, 32 anos, levou cinco perfurações nas costas, nádegas, pescoço, cabeça e perna.

A única arma de fogo que tinha na cena do crime era a do militar. As investigações preliminares foram acompanhadas de denúncias de pessoas revoltadas pelo fato de a vítima ter sido tratada como assaltante. Rafael não tinha antecedentes criminais.

“Quando chegamos à cena do crime, já constatamos que era um tanto incompatível com aquela versão. Nos chamou a atenção a quantidade de disparos e os locais que o homem foi atingido, contrário com nossa experiência em relação a reação à assalto, e o fato de três portas estarem abertas”, conta o delegado André Leite, titular da 15ª Delegacia de Polícia.

Para disfarçar o crime, o policial pode ter atirado na própria perna de forma proposital ou acidental. Com uma bala alojada, o sargento segue internado em um hospital particular do Gama e deve ser ouvido novamente quando tiver alta médica. Em uma semana, ele já deu duas versões   divergentes para o que ocorreu naquela madrugada do dia 6 de junho.

O caso ainda é apurado, mas o homem já foi indiciado pelo crime de homicídio doloso (quando há intenção de matar). Para o delegado, não há dúvidas de que ele tenha assassinado Rafael Barbosa.

Mudança de versão 

No hospital, o policial passou por cirurgia e mudou a versão dos fatos. Desta vez, ele disse que estava com a vítima quando pararam para urinar após passar a noite bebendo. “Ele contou que viu um volume na cintura do rapaz e achou que seria assaltado. Os dois teriam entraram em luta corporal e ele conseguiu atirar. Um terceiro rapaz pegou a arma do Rafael, atirou na perna dele e saiu correndo”, explica o delegado.

Nada disso se comprovou com as investigações. “A gente já descobriu que não havia terceira pessoa e que a dupla se conhecia porque morava na mesma rua. Os dois passaram a madrugada inteira fazendo consumo de álcool e foram filmados abraçados, cambaleando, em estado de embriaguez. A vítima não tinha arma, não foi legítima defesa”, diz o delegado.

Testemunhas disseram que ouviram a discussão que precedeu a morte. A vítima queria trabalhar, estava com mochila e guardava uniforme, mas o policial queria continuar bebendo e não teria aceitado o fim da companhia. Uma pessoa ouviu gritos de “não vou, não quero ir” antes de Rafael desembarcar do carro.

Vídeos mostram sargento (de camisa xadrez vermelha) e vítima (com mochila nas costas) conversando e se abraçando antes do crime:

Combinação perigosa

Para o delegado, o policial parece fazer uso abusivo de bebidas alcoólicas. Em março de 2015, o sargento se envolveu em situação semelhante. Era madrugada e ele estava embriagado. Na época, ele apareceu ferido, dizendo que foi vítima de assalto e teria lutado com alguém. Na época, em depoimento, um amigo disse que, após consumir bebida alcoólica com o policial, o encontrou na rua com a arma em punho e a mão sangrando.

Segundo o relato, o militar o mandou deitar no chão, deu tiros no asfalto e o ameaçou de morte. “Toda vez que bebe fica ‘doidão’, encara e aborda os outros na rua”, disse o depoente. No fim, constatou-se que foi autolesão: o sargento atirou na própria mão.

André Leite lembra que um policial carrega responsabilidade maior que um civil. “Ele tem dever de proteger a sociedade, mesmo estando sem farda. Se tem que estar pronto para ação ou reação, não tem o direito de perder o controle. O problema é a questão psicológica em face do consumo de álcool, que não combina com arma. Se quer fazer o consumo, que guarde a arma e a carteira em casa”, opina.

Ponto de vista

Especialista em direito Militar, a advogada Cátia Mendonça afirma que investigação interna na corporação é necessária em qualquer situação de imprevisto. “Nesse caso, o Inquérito Policial Militar vai apurar os fatos. Se irregularidades forem comprovadas, ele pode até ser excluído da força”, explica.

Versão oficial

A Polícia Militar acredita que é prematuro informar quais serão as providências cabíveis no caso. A corporação diz que aguarda as investigações da Polícia Civil para iniciar qualquer procedimento administrativo. Segundo informações oficiais, o sargento não atuava no policiamento ostensivo, estava no serviço administrativo. Apesar do histórico, ele não não responde a nenhum processo na Justiça Comum ou na Corregedoria da PMDF. Não há informações sobre atendimentos psicológicos ou psiquiátricos do militar, mantidas em sigilo.

Relembre o caso: PM reage a tentativa de assalto e mata bandido em Ceilândia

Saiba mais

Tramita na Câmara dos Deputados um projeto de lei que prevê perda de cargo para policial que ingira álcool portando arma. Se aprovada, a determinação deve ser incluída ao Estatuto do Desarmamento.

O texto abrange integrantes das Forças Armadas, das polícias e das guardas municipais que, portando armamento oficial, forem flagrados embriagados ou sob efeito de entorpecentes em serviço ou fora dele.

Segundo o Código Penal Militar, é agravante de pena quando um policial comete crimes após embriagar-se. Também pode levar a detenção por até um ano se o militar dirigir em estado de embriaguez “sob administração militar na via pública”.

The post Policial bebe, mata, se enrola em depoimento e é indiciado por homicídio appeared first on JBr..

Fonte: odemocrata / jornaldebrasilia / aquiaguasclaras
Author: Jessica Antunes

Powered by WPeMatico

Comments are closed.